Thomas Law: China é o maior parceiro comercial do Brasil desde 2009 – 25 NEWS
sexta-feira, 21 junho, 2024

Thomas Law: China é o maior parceiro comercial do Brasil desde 2009

Relações bilaterais tendem a crescer no futuro próximo

Nas últimas décadas, as relações comerciais entre Brasil e China se estreitaram e apresentaram um crescimento significativo. Em 1993, as exportações brasileiras para China correspondiam a pouco mais de 2,9% do total, já as importações de produtos chineses para o Brasil representavam cerca de 1,8% de tudo que o Brasil comprou do exterior. Trinta anos depois, em 2023, as exportações para China correspondiam a 30,7% do total exportado naquele ano, e as importações 23%.

A China tornou-se o principal parceiro comercial do Brasil na Ásia no ano 2000. Em 2009, assumiu a condição de maior parceiro, com uma corrente comercial de US$ 36,1 bilhões, ultrapassando os Estados Unidos. A soma das exportações e importações, a corrente de comércio serve para medir o fluxo comercial entre dois países ou blocos econômicos.

Desde então, a China continua sendo o principal destino das mercadorias brasileiras. A barreira dos US$ 105,7 bilhões em exportações do Brasil para a China foi ultrapassada em 2023. Esse é o maior valor exportado pelo Brasil para um só país na história. Ao mesmo tempo, as vendas chinesas para o Brasil somaram US$ 53,159 bilhões.

Entre os principais produtos exportados estão soja, minério de ferro, petróleo e carne bovina. Já a China vende para o Brasil produtos manufaturados, eletrônicos e bens de consumo, auxiliando o comércio bilateral de modo fundamental para as economias de ambos os países, além de contribuir para o desenvolvimento econômico global.

O presidente do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), Luiz Augusto de Castro Neves, apontou que a China não só é o maior parceiro comercial do Brasil, mas o maior investidor em termos de fluxo. “Nesse ambiente de instabilidade nos últimos anos em relações internacionais, chama atenção a relação sino-brasileira, que tem sido marcada por uma certa continuidade na expansão dessas relações”, destacou.

Futuro aponta para aprimoramento das relações

O gerente geral em Ásia e Pacífico da ApexBrasil, Rodrigo Gedeon, avalia que o futuro da parceria entre Brasil e China passa por infraestrutura e combustível sustentável de aviação. A pauta do futuro também se concentra nas três grandes commodities: petróleo, soja e minério de ferro. “Os fatores geopolíticos favorecem e trazem a oportunidade de ser um grande parceiro”, disse ele ao jornal Valor Econômico.

A China figura entre as principais fontes de investimento estrangeiro direto no Brasil, com destaque para o setor de infraestrutura (sobretudo na geração e transmissão de energia e nas áreas portuária e ferroviária) e para o setor de óleo e gás, com participação importante nos setores financeiros, de serviços e de inovação.

Outra ação importante para fortalecimento futuro do comércio bilateral foi a criação, em 2023 de uma “Clearing House” (ou Câmara de compensação), instituição bancária que permita o fechamento de negócios e a concessão de empréstimos entre os dois países sem que o dólar americano tenha que ser usado para viabilizar a transação internacional. Assim, eles podem comercializar diretamente em yuan, moeda chinesa.

“O Brasil firmou acordo para pagamento em yuan, que facilita muito o nosso comércio. Vamos trabalhar ainda mais no setor de alimentos e minérios, vamos buscar possibilidade de exportação de mercadorias de alto valor agregado da China ao Brasil e do Brasil para a China”, afirmou Guo Tingting, vice-ministra de comércio da China.

Fonte: Ibrachina

VEJA TAMBÉM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

um × 2 =

lateral 2 Banner Precisando divulgar? LIT
pace il mondo

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist